Atalho Image Map

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Imagine Hot - Birthday with my ex boyfriend (Niall Horan)


Boy Niall Horan.
Nome: Aniversario com meu ex-namorado.
Autora: Débora
Classificação: +16
Aviso: insinuação de sexo.
A pedido de uma leitora por ser aniversario de sua amiga, aqui estou eu postando esse imagine hot com o Niall Horan. Desejo-lhe tudo de bom e muitos anos de vida, eu espero que goste.
- Nós mulheres que sempre somos tão burras ou homens realmente que não prestam? – reviro os olhos ao lhe observa de longe se lamentando no colo de sua melhor amiga enquanto toma mais um gole de sua vodka.
Eu observava sua feição delicada, seus lábios vermelhos em contraste em sua pele. Mas eles não eram os únicos vermelhos, seus olhos encantadores, neste momento estava do mesmo jeito, por conta de suas lagrimas, sua maquiagem estava borrada e ela parecia desiludida, como se sua vida houvesse acabado.
Eu estava surpreso com o estado a qual estava, a forma que bebia me assustava. Durante os anos que namoramos ela sempre dissera que nunca iria beber e que nunca nenhum homem a faria chorar, ma olhe só como ela está agora. Eu sentia vontade de lhe proteger, de caminha ate ela e lhe consolar. Mas não nos vemos a 4 anos e por uma pura coincidência estamos na mesma boate agora e ela esta a beber neste dia tão especial, esse dia de seu aniversários.
- Após Niall... Eu prometi, prometi a mim mesma que nunca... NUNCA... Mais iria chorar por outro homem. – suas lagrimas, seus soluços e suas palavras doeram mais do que deveria doer, era como se houvesse levado repetidos socos no estomago.
Ela já sofreu por minha causa, eu já fui o motivo de suas lágrimas. Antes eu sentia raiva de vê-la chorando por um homem, agora sinto raiva por eu já ter sido o motivo de ela ter ficado assim quando a deixei a 4 anos.
Resolvo me aproximar mais, eu tinha chego a dois dias na cidade e estava planejando lhe reencontrar, mas não pensei que iria acontecer desta forma e em seu aniversario.
- Por Deus pare de chorar, Charlie foi ridículo ao terminar com você dessa forma. Mas não fique assim, é seu aniversario, vamos comemorar principalmente agora que estar solteira. – ouço sua melhor amiga dizer ao me aproximar.
- Não... Você não ouviu as palavras rudes que ele usou comigo... Ele foi tão cruel, e eu não fiz nada a ele, ele que me traio, eu que tinha o direito de ser cruel com ele... O que há de errado comigo para os homens sempre me fazer de idiota?
- Você é ingênua, você acredita em tudo que eles dize.
- Primeiro Niall, Niall me deixou... Deixou-me, eu o amava tanto... Agora Charlie. Mas tem uma coisa que não me arrependo de era passado dois anos com Charlie, ele fode muito bem.
Fecho a mão em punho e a respiração descompassa tamanha a ira cresce em mim ao ouvir isto. Eu estava com ciúmes, eu poderia ter lhe deixado, mas eu ainda a amo e ouvir dizer ela que o cara, pelo qual entendi, a traio fode muito bem e ela não se arrepende de ficar com ele, simplesmente machuca.mas a delicada a qual deixei aqui ao ir embora, nunca usaria tais palavreados, como também nunca beberia.
- Mas se arrepende de ter ficado comigo? Eu não fodo tão bem assim para chegar ao ponto de não se arrepender? – me sento irritado a mesa a qual ela esta com sua amiga, ela me olha espantando.
- Ni... Niall? Acho que bebi demais ou tem drogas nessa bebida, eu to tento alucinações. – diz ela rindo, como se tudo fosse engraçado.
Indignado eu pego a garrafa de suas mãos e mantenho longe dela.
- Alucinação má! – ela faz biquinho, o bico mais adorável desse mudo. Mas ela para e me olha seria, seus olhos vermelhos, sua maquiagem borrada... E o olhar frágil. Eu suspiro olhando em seus adoráveis olhos enquanto ela começa a perceber que eu realmente estou aqui com ela. – É você?
- Sim, sou eu. E desde quando você bebe dessa forma?
- O que importa? Você não se preocupa comigo. ENTÃO ME DEVOLVA! – ela se inclina para pegar a garrafa, mas eu afasto ainda mais de sue corpo.
- Eu me importo.
- Se realmente se importasse não teria me deixado sem dizer nada, simplesmente evaporar da minha vida sem satisfação, para voltar agora.
- Vem! Vou lhe levar para casa. – digo por mim não dando importância ao que dizia. – , eu vou cuidar dela.
era sua melhor amiga, ela ainda estava assustada e sem reação a me ver ali.
- Er... Niall, não sei se é uma boa ideia. Faz 4 anos desde que a deixou e...
- Eu sei , mas eu quero cuidar dela e conversar com ela.
- Mas eu não vou com você. – ela cruza os braços como se fizesse birra, parecia uma adolescente, ou ate mesmo uma criança.
Reviro os olhos irritados e por ser mais forte e mais alto que ela a levanto com força e a pego no colo pondo seu corpo sobre meu ombro. Ela se esperneava e me batia chamando a atenção de todos da boate.
Isso dificultou as coisas para mim, um segurança nos parou e mandou lhe por no chão ou eu seria preso por me denunciarem por sequestro. Ridículo, eu sei. Ate parece que se eu fosse sequestra-la iria fazer todo esse escândalo chamando a atenção de todos.
- Você o conhece? – o segurança pergunta, lhe olho preocupado e ela cruza os braços.
- Não! – suspiro irritado perdendo a paciência.
- não dificulte as coisas.
- Porra Nialler não vem com essa, você sumiu durante 4 anos e só por me encontrar em uma boate acha que manda em mim. Eu não te conheço.
- E porque acabas de me chamar de Nialler?
- Por que... – ela suspira firme e olha nos meus olhos. – Eu conhecia o Niall que me amava e que prometeu nunca me deixar, e no momento que você me deixou eu deixei de te conhecer. E não é porque você voltou após 4 anos que vai ser como era antes, como se nada tivesse acontecido, como se eu  não tivesse derrabado tantas lagrimas por você. Eu sofri quando me deixou, e eu não quero você de volta em minha vida.
- Eu...  – estava surpreso com suas palavras. Mas não podia dizer nada, ela esta certa. – Eu não quero que seja como antes, eu só quero te ajudar, você esta bêbada, só a levarei para casa, em nome dos velhos tempo.
- Tudo bem. – ela suspira e enxuga as lagrimas, fazendo com que sua maquiagem se espalhe mais. Eu rio dela e ela me olha indignada. – O que foi?
- Sua maquiagem esta toda borrada.
- Não ria de mim Niall Horan. – ela reclama enquanto sai pisando firme com seus saltos. Reviro os olhos com o ato infantil.
Olho para o segurança que me impediu de sair carregando ela e ele apenas me da espaço para passar,ao perceber que eu a conheço.
Saio da boate e ela esta na frente da mesma de braços cruzadas e encolhida com frio. Vou ate a mesma enquanto retiro minha jaqueta, e ponho nela sobre seu ombro, a mesma olha para mim e sorrir em gratidão.
- Vem! – acabo entrelaçando minhas mãos a sua, e toda aquela sensação a qual a ultima vez que sentir foi há 4 anos atrás voltou. Meu corpo se acede seno tocado por ela, por mais que sejam apenas nossas mãos entrelaçadas.
Vou ate onde estar meu carro, na verdade é alugado, preciso arrumar um tempo para ir comprar um novo.
Abro a porta para e a mesma sorrir em agradecimento. Dou a volta no carro e entro no mesmo e logo começo a dirigir.
- Niall... Não estou me sentindo bem. - ela diz e eu me apavoro.
- Não vomite no carro, esse carro não é meu! - começo a procurar algo para ela enquanto sinal esta vermelho e acho uma sacola. - Toma isso.
Dou-lhe e ao mesmo tempo em que lhe dou ela abre e começa a vomitar. Eu observava tal atitude um tanto espantado, a garota a qual deixei para trás nunca teria uma atitude assim e me faz perceber que muitas coisas deve ter mudado enquanto estive longe. 
- Não vai me perguntar onde moro?
- Não. Porque não vamos para a sua casa.
- Como não? Isso é sequestro!
- Só vou cuidar de você essa noite, é seu aniversario e em nome dos velhos tempo.
- Você se lembra... Que hoje é meu aniversario?
- Claro que sim, como se esquecer 12 de junho? Conhecemos-nos nesse dia, em uma festa sua a qual eu fui com um amigo que também era seu amigo. Quem diria que ficaríamos juntos 3 meses depois? Eu te pedi em namoro e ficamos juntos durante incríveis 3 anos.
- Ate que você me deixou. – ela diz por fim e vira o rosto olhando pela janela. Eu suspiro enquanto nossa conversa durante o caminho acaba nisso.
Logo chego ao hotel a qual estou hospedado. Desço do carro e abro a porta para ela enquanto entrego ao manobrista as chaves de meu carro.
Mais uma vez entrelaço minhas mãos a sua, e toda aquela sensação estar presente mais uma vez e eu suspiro com isso enquanto caminhamos como se fossemos mais uma vez namorados ate o elevador.
- Niall... Eu estou um pouco tonta.
- Você não devia ter bebido.
- Eu só queria... Esquecer ele. - ela suspira enquanto apoia sua cabeça em meu ombro. Logo sei que ela esta chorando silenciosamente.
Viro-me para ela e envolvo meus braços envolta de sua cintura, mas isso só faz com que a mesma chore mais enquanto envolve seus braços em torno de mim.
chegamos em meu andas, saímos do elevador abraçados enquanto já sentia suas lagrimas encharcar minha camiseta branca. 
- Olhe tome um banho bem relaxante ok? Eu vou lhe preparar um café. - ela apenas confirma com a cabeça e lhe levo ate o banheiro. Depois vou ate minhas malas a quais ainda não tinha desfeito e peguei uma roupa para que usasse. Era apenas moletom estilo jaqueta.
Ligo para recepção e peço para que traga uma refeição para duas pessoas, eles me dizem o que tem e escolho, e ainda peço para que traga o café forte sem assucá.
Não demorou muito ate que nossa refeição chegou, dei a gorjeta e fui prepara a mesa para comermos. Ouço paços e viro o rosto vendo , estava usando o moletom que lhe dei e uma boxer minha.
- Espero que não se importe, eu peguei uma boxer sua.
- Tudo bem, algumas coisas nunca mudam. - pisco para ela que sorrir, ela tinha mania de usar minhas boxer. - Porque não colocou a calça de moletom que deixei lá?
- Eu estava parecendo um homem usando ela. - ela diz enquanto prende seus cabelos loiros.
- Já está melhor? Eu não tenho nenhum comprimido aqui para lhe dar.
- Tudo bem, a tontura esta passando, mas minha cabeça esta latejando, acho que porque bebi e não comi nada.
- Então coma, aqui tem algumas coisas que pedi e um café forte.
Ela se aproxima e se senta à mesa. Sento-me ao seu lado e começamos a comer em silencio, um silencio constrangedor e que já estava me irritando. Resolvo tentar puxar assinto com ela.
- Você o amava?
- Quem?
- O cara por quem chorava. - ela suspira após tomar mais um gole de seu café.
No fundo eu não queria ouvir o que tinha a dizer sobre isso.
- Amava, ele foi o único cara que me fez esquecer o homem que mais amei em toda a minha vida. - ela diz enquanto olha para mim, aquelas palavras me atingem, porque sei que fala de mim. - Então eu o amava, o amava muito, ele me fazia bem, mas não era tanto quanto eu amei... O outro.
- Porque choravas tanto?
- Ele me disse palavras horríveis, eu não merecia isso, ele que me traio. Ele me fazia bem e era muito bom no sexo. - arqueio uma sobrancelha para ela, não gostei de ouvir isto. - Mas por mais que tenha me dito palavras ofensivas, nada machucou tanto quanto disse que eu dormia ao lado dele, mas sonhava e dizia e nome do outro. Nesse momento eu percebi que eu mereci ter sido traída, porque no fundo eu nunca esqueci você, e estava com ele apenas por ele me fazer por alguns momentos te esquecer. Mas ele me fazia bem e doeu ouvir todas aquelas palavras vindo de sua boca. Eu me sentir uma idiota, o primeiro homem que amo me deixa sem satisfação e o segundo, eu não fui capaz de o amar tão intensamente e ele me traio. Deve haver algo de errado comigo para que os homens não me queira.
Eu mal tinha prestado atenção em tudo o que disse, minha mente só sabia pensar em 'No fundo eu nunca esqueci você'. Mesmo os anos terem se passado, ela ainda pensa mim, ela não me esqueceu e talvez, ela ainda me ame.
- Você sente minha falta?
- Do que adianta lhe responder isto?
- É importante para mim saber.
- Eu.. Eu só respondo se me disser o porque de ter me deixado daquela forma.
Eu suspiro e tento não olhar em seus olhos enquanto digo, era tão idiota o meu motivo. Mas eu era apenas um moleque.
- Eu...Eu só tinha 17 anos. Eu estava assustado com tudo o que estava acontecendo. Eu te amava tão intensamente que achava estranho, um garoto de 17 anos era possível amar daquela forma? Todos os meus amigos viviam pegando qualquer garota e não se apegava, uns namoravam e me diziam que não as amava, apenas gostava dela. Mas nós éramos diferente, nós nos amávamos intensamente, nós fazíamos planos para um futuro. Chegou um momento que eu pensei, eu precisava viver novas aventuras para saber se que o que sentia por você era realmente amor. Eu queria me relacionar com outras garotas para comparar o que sentia. Eu estava precisando disso, eu estava assustado, meio atormentado e decidir ir embora e viver um pouco sem você.
- O que achou da sua vida sem mim nos últimos 4 anos?
- Um saco, simplesmente insuportável. Nenhuma das mulheres que tive eram como você, eu não me sentia da mesma forma, não me sentia com a mesma liberdade, se eu falasse sobre futuro com elas as mesmas me chamavam de louco e dizia que era cedo. Eu não conseguia nem contar um segredo ou pedi um conselhos a elas, elas não eram você. Então percebi que eu realmente te amava, e que eu era um sortudo por ter a oportunidade de amar tão sedo e de ter encontrado um amor verdadeiro, mas eu fui um tolo e deixei esse amor.
- Realmente, um tolo, um idiota por ter me deixado, você não faz a minima ideia do quanto eu sofri com isso. Eu te amava.
- Amava? Eu ainda te amo, eu não sei como farei isso, mas eu te quero, te quero como nunca quis algo ou alguém na vida.
Ficamos em silencio após tais palavras minhas durante longos minutos que pareceram horas. Sabia que tinha lhe pego desprevenida com tal revelação. Mas eu apenas lhe disse a verdade e queria que acreditasse nisso. 
- Beija-me!
Por um momento pensei ter ouvido errado seu pedido, mas ela repetiu e suplicou dizendo "Beija-me, por favor." Eu não pensei duas vezes, no momento seguinte eu estava de pé e estendi minha mãos para ela a qual segurou e se levantou, eu não esperei mais nada, apenas lhe beijei como me pediu. Primeiramente roçando nossos lábios e sentindo toda a corrente elétrica me puxar para ela. 
olhava em meus olhos, assim como eu nos delas, ate que fecho meus olhos e a beijo de verdade. Um beijo lento com amor, paixão e saudades. Envolvo sua linguá envolta da minha, elas eram velhas conhecidas e todo o meu corpo se aquece com seu toque. Minhas mãos estão envolta de seu quadril, enquanto as delas em minha nuca me puxando ainda mais para si enquanto intensificamos o beijo. 
Suas mãos começam a passear por minhas costas, enquanto as coisas se esquentam apenas desejo tirar suas roupas e matar toda a saudade que eu sinto.
Minhas mãos acaricias seu corpo, constatando suas curvas, seu corpo estava ainda mais esbelto desde a ultima vez que lhe, que era apenas  uma jovem garota de 17 anos, mas hoje ela é uma mulher com seus 21 anos de idade.
Enquanto interrompe o beijo suas mãos vão ate minha camisa e a tira, assim que passa por minha cabeça eu a jogo para qualquer lugar e procuro de volta por seus lábios a quais sinto tanta falta.

P.O.V.
 A minha cabeça lateja e começa a girar no momento em que ele diz que me ama, e meu estomago revira enquanto meu corpo se aquece com sua confissão. Ele ainda me ama, apesar de todo o tempo que passou. Eu já não me importava mais pelo motivo a qual me deixou e por ter me deixado, meu corpo ansiava por ele nesse momento, eu precisava dele, e no momento a qual revelou que ainda me ama, pensei nas noites em claros que passei chorando por ele e me perguntando porque eu não fui suficiente para ele. Mas hoje sei que ele apenas estava confuso e que ainda me ama.
Poder beijar mais uma vez aqueles lábios me trazia lembranças e sensações incríveis, era um tanto inacreditável que eu estava ali com o amor da minha vida em um quarto de hotel.
Minhas mãos passeiam por seu abdômen que hoje tem alguns cabelos loiros, e mordo meus lábios enquanto penso em tantas coisas que queria fazer com ele.
Ele sorrir para mim enquanto me aproximo e na ponta dos pés o beijo mais uma vez, suas mãos vãos ate o inteiro de minhas coxas e solto um gemido só em pensar no que pretendes fazer, mas ele retira suas mãos o que me faz pega-las de voltas e por lá. 
Acabo afastando um pouco minhas pernas enquanto seus beijos descem por meus pescoços e suas mãos me tocam por cima de sua boxer a qual eu uso.
- Conseguir sentir por cima da boxer o quão molhada estás por mim. Eu posso tira-las? - sua voz sai rouca em meio aos beijos em que deposita por meu pescoço me causando arrepios e me esquentando. 
- Já devia ter feito isso. - posso sentir seu sorriso contra minha pele e ele começa a baixar sua boxer ate meus joelhos e eu mesmo a tiro por completa com meus pés.
Logo sinto dois de seus dedos afundarem em mim, agarro seus ombros enquanto solto um gemido e ele começa movimentos lentos que me fazem gemer roucamente e meu corpo se aceder com sua atitude. Sua outra mão esta em meus seios, mesmo sobre o moletom, seu toque em meus seios me causavam calafrios.
- Charlie era bom no sexo? Ele te fazia se sentir com eu faço? Ele te fazia gritar e gemer como eu? - não consigo responder a sua pergunta, apenas aperto minhas unhas em suas costas enquanto sinto ele me masturbar e estimular meu clítoris. Minhas pernas começam a ficar tremulas e envolvo uma delas envolta dele o que só o ajuda em seus movimentos.
Eu sentia que não iria aguentar muito tempo, e mesmo com todo o tempo que passou ele parece conhecer bem meu corpo e os sinais que ele demonstra e ele para com os movimentos ao ver que vou gozar.
- Vamos para cama. 
Não estou em condições de dizer algo e ele apenas me põe no colo e carrega-me ate a cama a qual me deita com delicadeza e fica sobre mim.
- Devo prosseguir?
- Sim. - digo e soa mais desesperado do que quero, enquanto retiro seu moletom a qual estou usando. Seus olhos vão direto para meu sutiã rosa a qual apesar de ter detalhes em rendas também rosa, ele é bem comportado e não tem nada de sexy. Bem, eu tinha acabado de termina com meu namorado e não sabia que iria encontrar meu outro ex e muito menos que iria transar com ele, então não coloquei peças intimas sexy.
E por um momento, apesar de já ter transado com Niall, afinal ele foi meu primeiro, eu tive vergonha de estar apenas de sutiã a sua frente e quis cobrir meu corpo.
- Não faça isso, você é linda. - ele me olha com admiração e amor, isso me aquece por dentro.
Seu olhar por meu corpo transborda, não apenas amor e admiração, mas muita luxuria. Suas mãos deslizam por minha barriga enquanto ele se inclina e beija meus seios, na parte a quão é exposta mesmo com o sutiã.
Seus beijos vão descendo por meu corpo enquanto em começo a pensar no que vai fazer, e ao sentir um beijo um pouco abaixo de meu umbigo eu gemo em antecipação e em seguida ele beija lá.
Sua linguá faz pressão em meu clítoris e eu gemo em aprovação, minhas mão vão diretamente a seus cabelos sentir um prazer inexplicável com sua linguá hábil que me faz se contorcer.
Eu nunca tinha recebido um sexo oral na vida, e  não sabia que seria com tamanho prazer. Sua linguá naquela aria sensível fazia um trabalho exemplar enquanto a chupa. 
- Niall... OH... NIALL! - minhas pernas estão mais uma vez tremulas enquanto sua linguá faz um trabalho mais mais acelerado. Eu sinto que vou me desfazer a qualquer momento enquanto gemo seu nome, e isso o provoca e o faz gemer contra minha pele sensível.
Arqueio as costas quando sinto toda aquela sensação inexplicável e aperto os edredons com força, acabo por gritar seu nome enquanto meu corpo relaxa na cama se recuperando de um maravilhoso orgasmos. Por um momento quis saber com quem ele aprendeu isso e fiquei com ciumes, quantas ele esteve quando me deixou? Antes de ter deixado eu era a única.
Seu corpo fica sobre o meu apoiado por seus braços que estão agora um a cada lado de meu corpo, ele olha em meus olhos enquanto ainda estou tentando tranquilizar a respiração.
Ele estar com um sorriso encantador nos lábios que me faz sorrir de volta e por um momento esquecer que ele me deixou por uma tolice. Puxo-o para mim e o beijo, seu corpo se rosca contra o meu e eu posso senti-lo duro, mesmo com sua calça jeans. Isso me atiça o querendo mais.
Tudo o que eu sentia, parecia que eu era um jovem de 17 anos mais um vez. Ele me faz se sentir de uma forma única, coisa que Charlie nunca fez.
Minhas mãos passeiam por seu corpo ainda sem acreditar que ele realmente esteja ali, apertando e arranhando o mesmo.
Tento inverter nossas posições e assim que o consigo ele me olha surpreso e divertindo gostando da atitude inesperada.
Sentada sobre ele com uma perna de cada lado eu olho para sua feição, seu rosto angelical continua, ainda parecendo o moleque a qual tanto amei, seus dentes já não eram mais tortos e ele tinha um sorriso maravilhoso, mas confesso que achava um amor seus dentes tortos, e agora ele tinha um pouco de barba que lhe deixava mais másculo, mas mesmo tempo que angelical.
Meu olhar desce por seu abdômen e observo um pouco mais os poucos pelos loiros a qual ele agora tem pelo peito.
Eu queria lhe fazer muitas  perguntas, mas sabia que esse não é o momento certo para isso. Então apenas observava seu corpo enquanto minhas mãos passeavam, um pouco tremulas, por toda a extensão do mesmo.
Chego ate a barra de sua calça jeans e me levanto um pouco para que assim que possa tirar a mesma, era um tanto injusto e constrangedor que eu estivessem sem roupas a sua frente enquanto ele ainda veste suas calças.
Ao me desfazer da mesma olho o volume crescido em sua boxer e isto me anima mais. Olhar para ele apenas de boxer e deitado comigo sobre ele me excitava mais, principalmente seus olhos azuis deslizando por meu corpo e observado cada movimento feito por mim.
Ajeito-me sobre ele, e ele fecha seus olhos fortes assim que fico sobre sua ereção e começo a me mover. Ele solta um suspiro pesado e morde os lábios em seguida, reprimindo o gemido que me faz lhe provocar mais, eu quero ouvir sua voz gemendo meu nome, fazia tanto tempo que não ouvia sua voz, principalmente fazendo tal coisa.
E ele não resiste e gemi me nome, sua voz sai um tanto rouca, e simplesmente maravilhosa. Eu sorrio satisfeita e fico sentada sobre suas coxas enquanto minhas mãos vão ate sua boxer, eu lhe toco sobre o material e movimento minhas mãos como se o masturbasse, ele gemi mais uma vez, e eu me sinto maravilhada com este som.
- Por favor... Não me faças vim assim. - fico surpresa com suas palavras, eu lhe causo tanto ao ponto de ele gozar apenas com isto?
Arqueio uma sobrancelha para ele, questionando suas palavras, mas ele não ver por no momento esta com os olhos fechados e com a cabeça jogada para trás deixando seu belo pescoço exposto.
Eu continuo a lhe provocar, enquanto seus urros e gemidos são ouvidos por mim, e logo sinto sua boxer umedecer, ele tinha tido um orgasmo. Meu olhar é surpreso enquanto observo seu corpo, a respiração acelerada, seu peito subindo e descendo. Era bom ver que não era a única a ficar assim.
- A forma que me faz se sentir... É única. Se não for amor, não sei mais o que é isso. - ele diz após um longo tempo, agora olhando para mim, seus belos olhos azuis brilhavam em amor, em paixão e luxuria.
Ele se senta na cama comigo ainda sobre sua cochas, suas mãos acaricia meu braços em conforto me fazendo se arrepiar por completo.
- Fico feliz em não ser a única. - seu sorriso em felicidade é contagiante e eu logo lhe beijo.
Suas mãos deslizam ate minhas cochas e ele pressiona seu polegar na mesma e faz circulos com o mesmo me provocando enquanto se aproxima de minha agina.
Ele me toca brevemente e suspira entre o beijo fazendo assim o cessar.
- Estas tão molhada para mim... Como sinto falta disso. - ele diz enquanto retira sua mão e beija-me mais uma vez. - Eu quero te sentir melhor.
- Quero te fazer algo antes.
- O que?
Ele me olha com atenção a espera que lhe diga algo, mas apenas olho para seu pênis. Envolvo-lhe os dedos com delicadeza e ele olha para mim sem compreensão, começo com movimentos lentos e ele suspira enquanto seu peito volta a subir e a descer que o faz se deita novamente na cama apenas sentindo meu toque.
Quando a ereção esta formada mais uma vez eu me abaixo e me posiciono, eu faria algo que nunca fiz. Eu sempre tive um certo nojo, mas naquele momento desejava fazer isto com Niall, talvez por ser ele, e mesmo ele tido me largado um dia, eu confiava e amava ele.
Respiro fundo e ponho minha boca, apenas ate a metade. Ele gemi um pouco mais alto e se apoia no cotovelo para olhar para mim. Sua feição é de puro prazer e surpresa.
Sinto um gosto diferente, um pouco salgado, e não era ruim. Por um momento pensei que ele já pudesse ter vindo, mas me lembrei que eu o fiz gozar na boxer.
Eu começo a me mover com a ajuda da linguá, nem sabia exatamente o que estava fazendo, mas sua respiração descompassada e seus gemidos demonstrava que ele gostava.
Ele esta maravilhoso, com seu corpo um pouco elevado por estar apoiado nos cotovelos eu posso ver seu peito subir e descer e ouço sua respiração, seus gemidos saem frequentemente e ainda sinto seu sexo latejar em minha boca. A parte a qual não alcançava continuava com meus movimentos com uma das mãos, já tinha ouvido minhas amigas dizerem que era bom fazer isso, e também provoca-los nas bolas, que eles gostam disso então o fiz.
- Eu estou... Quase... Quase lá... Oh . - posso não ver, mas tenho a certeza que meus olhos brilham com isso. - Se não quer... Acho... Tire sua boca, pare.
Compreendo o que quer dizer e logo retiro, sabia que ele iria gozar e não queria que o fizesse em minha boca.
Ele apressadamente começa a procurar por algo por suas coisas, o que me deixa confusa.
- Camisa, eu não tenho! - ele diz desesperado e eu rio de sua atitude.
- Não precisa, pilula do dia seguinte. - ele suspira em alivio e logo se deita na cama me empurrando na mesma para que fique sobre mim.
Ele me olha nos olhos enquanto toca delicadamente meu rosto e o acaricia. E eu me sinto tão bem com a troca de olhares. E logo posso senti-lo se afundar em mim, por instinto aperto os lençóis da cama e gemo. Seus movimento são maravilhosos, em um ritmo que me alucina.
Ele dizia que se arrependia, dizia que me amava e que nunca mais me deixaria.
Choramingo com suas palavras, eu sentia tanto a sua falta, puxo seu cabelo enquanto meu corpo arqueia na cama e estou sentindo o que ele sempre me causa, as pernas bambas, e de um jeito quase eufórico chamando por seu nome, em êxtase, enquanto finalmente me venho, tendo um orgasmo maravilhoso.
Meu corpo enfraquece abaixo do dele e logo relaxa também enquanto me sinto sendo preenchida por ele.
Enquanto me acalmo ele me abraça e me aperta contra seu peito, agora abraçados na cama de lado.
Eu suspiro e penso nos últimos acontecimentos, que aniversario agitado.
Tento controlar minha necessidade por lhe fazer perguntas, mas eu não consigo e faço a que mais me consome.
- Porque voltou?
- Por você. - ele admite enquanto solta um suspiro longo. - Eu vim na esperança de te reconquistar. Eu quero você de volta, como minha namorada.
- Posso pensar? - digo confusa, eu o amo, mas preciso pensar nos últimos acontecimento. Não nos vimos há 4 anos e as coisas mudaram. - Eu não sou mais uma garota de 17 anos Niall... Temos que reconhecer.
- Eu faço qualquer coisa, contando que eu não fique mais longe de você, eu não aguento mais.
- Mas você que foi embora.
- Esse foi o pior erro de minha vida. - ele me da um beijo no topo da cabeça e fecho os olhos sentindo o simples gesto. - Agora que estou aqui, não vou desistir de você, e ah... Ainda quero saber se Charlie é tão bom assim.
- Idiota, você sempre será o melhor.

2 comentários:

✖ Sugestões e críticas são bem vindas.
✖ Caso o script interativo não esteja pegando, informe, por favor.